É DESAFIADOR  motivar UMA EQUIPE que CRAMA... de tudo!!
10 de Jan de 2017

É DESAFIADOR motivar UMA EQUIPE que CRAMA... de tudo!!

 

Gerar felicidade não é uma responsabilidade coletiva é individual ninguém pode ser responsável pela felicidade do outro, e nem sempre é questão financeira viu!!!!

O R.H. em muitas empresas trabalha no desenvolvimento de programas e projetos que buscam motivar seus colaboradores sem muito sucesso. O engajamento não acontece como se espera e os colaboradores que veem o trabalho como negativo estão sempre espalhando e contaminando esse pessimismo, reclamando de tudo que a organização faz ou deixa de fazer.

Contaminando geral... tudo que se foca expande!!!

Diante desta situação, fica cada vez mais difícil motivar os colaboradores. Mas, de fato, o que está acontecendo com os funcionários destas empresas?

A conclusão é que, nos últimos anos, os níveis de satisfação têm caído cada vez mais.

Será crise coletiva ou individual?

Descobrimos que na média atual das pessoas se consideram desconectadas da organização, não vivem o momento presente, e não acreditam que tenham suporte para realizar suas tarefas ou não se sentem bem física ou emocionalmente na empresa.

Não falam sobre a realidade, porque tem medo de perder o emprego.

Será que isso é falta de planejamento estratégico?

Será que as empresas e os empresários acreditam ser importantes esse assunto?

Entretanto, acredito em um ciclo de indicadores de sucesso, mapear e transformar as ameaças em oportunidades reais e não ideias.

Até é possível picos de felicidade, mas elas tendem a diminuir se os colaboradores não entenderem seu real proposito de trabalhar e se sentirem equilibrados em suas funções.

Ter um proposito alinhado com a realidade de cada um pode ser possível se fizer parte da cultura organizacional...

EMPRESA SÃO RESULTADO DE PESSOAS, GERENCIE PROGRAMAS DE INDICADORES DE FELICIDADE... NÓS TEMOS

É preciso desmistificar que o R.H. tem esta poção mágica. Essa seria uma responsabilidade incoerente para a área de gestão de pessoas, visto que a felicidade como um todo é algo muito complexo, com âncoras que tem variantes nos valores familiares, sonhos, conquistas e aquisições.

O R.H. pode, sim, criar e elaborar programas onde cada colaborador perceba o significado do que ele faz dentro da organização e qual o reflexo deste seu trabalho em uma comunidade. Conseguir visualizar um objetivo de vida atrelado ao trabalho de cada pessoa, ou seja, um proposito maior, faz com que o colaborador veja que existe um sentimento de satisfação, um orgulho por parte do quadro funcional em relação à empresa e isto se torna uma sutil forma de motivação.

 

Roberta Maia

Sobre o autor Roberta Maia

Administradora de empresas e Pós- graduada em Gestão de Pessoas. Especialista em Processos Gerenciais e Psicologia Positiva. Master Coach, Programação Neurolinguística, com especialização em Hipnose Erikisoniana e Hipnose Integral. Especialista em planejamento estratégico, avaliação 360 e análise comportamental. Experiência de mais de 10 anos na área de vendas como gerente comercial e implantação de RH.

Dúvidas? Fale conosco